/blog

Novidade: Suporte a VPC com backup e restore e criação de múltiplos servidores

O Cloud8 deu mais um passo para tornar a vida do usuário de Cloud da Amazon bem mais tranquila. Passamos a suportar, oficialmente, servidores que estão rodando em VPCs (Virtual Private Cloud).

Destacamos as novidades:

  • suporte a criação de servidores dentro uma VPC. Se já tiver VPC/Subnets criadas, basta escolher em qual deseja o criar o servidor;
  • suporte a restore de servidores que estão em uma VPC. O backup também guarda informação sobre as VPCs (assim como já guarda IP Elástico, Grupo de Segurança e Chave de Acesso) e o restore sugerirá restaurar na VPC/Subnet original. Para mais detalhes, veja o post sobre como gerenciar backup e restore;
  • suporte (transparente) aos 2 modos de execução do EC2: EC2-Classic e EC2-VPC. Você não precisa se preocupar se sua conta está em um destes ou então com modo híbrido ou até mesmo em regiões diferentes (A Amazon está convertendo as novas contas aos poucos e não são todas as regiões que possuem o novo EC2-VPC).

(se tiver mais curiosidade de saber o que são estes modos: http://aws.typepad.com/aws/2013/03/amazon-ec2-update-virtual-private-clouds-for-everyone.html)

blog-server-vpc-1

Com a capacidade de se fazer um backup de um servidor e recriá-lo em uma VPC, facilitamos a migração de quem desejar mudar sua estrutura do EC2 para uma VPC!

  • log de auditoria informa mudanças no VPC também:

blog-server-vpc-4

  •  suporte a IPs Elásticos dentro de uma VPC: criar novo IP, conectar e desconectar a um servidor (EC2 ou VPC), destruir IP. Ex:

blog-server-vpc-2

  • e finalmente, criação de mais de um servidor ao mesmo tempo (no EC2 Clássico ou em em uma VPC):

blog-server-vpc-3

Bom proveito!

Novidades: usuários com acesso aos relatórios de uso e muito mais!

Hoje estamos cheios de novidades e atendendo a muitos pedidos.

1. Realizamos um grande esforço para tornar o Cloud8 cada vez mais multiusuário. À medida que ele está sendo mais e mais usado, novas áreas também levantam necessidades para o acesso à infraestrutura. Como o Cloud8 conta com a auditoria de ações, acaba sendo natural e seguro realizar estes acessos pelo seu painel. Seguem as novidades:

– logs de auditoria: usuário que realizou a ação com IP, detalhes e horários;

novidades-usuarios-log

– novo perfil de acesso a relatórios com possibilidade de customização do que pode acessar: provedor ou servidores (independente do provedor)

novidades-novo-perfil

Cadastrando um novo perfil:

novidades-novo-perfil-II

E associando a um usuário:

novidades-novo-perfil-III

Este perfil pode ser usado em alguns cenários:

– cliente final deseja acompanhar o consumo de CPU e o uso de horas por tamanho de servidor;
– fornecer o acesso às estatisticas para o cliente final entender o dimensionamento feito;
– se houver uma equipe de operações e uma equipe de desenvolvimento, pode-se fornecer um login para os desenvolvedores acompanharem a performance da aplicação via o consumo de CPU;

2. O funcionamento das listas de servidores, discos, templates, etc estão mais parecidos com o console da Amazon. É possível selecionar multiplos objetos e ao clicar o botão direito, escolher uma ação para ser feita em massa. Ex: remover várias imagens de uma vez que por sua vez irá remover em cadeia os snapshots correspondentes.

– ao se selecionar diversos servidores de uma vez e clicar em ‘Informações’ pelo botão direito, mostra os IPs de todos eles;

– paginação customizável. Antes só era possível ver 25 componentes por vez. Agora pode-se escolher entre 25, 50, 75 e 100. Quando retornar ao painel, a escolha que fez anteriormente também será lembrada;

– se tiver mais de um provedor cadastrado, já mostra a coluna ‘Provedor’ em todas as listas – é possível customizar todas as colunas que se quer visualizar.

3. Criação de servidores: pode-se optar por usar um grupo de segurança existente ou então criar um novo idêntico a algum já existente sem ter que redigitar todas as regras;

novidades-grupo-seguranca

4. Relatório de custos/tags suporta até 10 subitens por Tag;

5. Relatório de custos diários consolidado também mostra o número de servidores online e parados de todos os provedores;

6. Métrica de custos nova: Suporte Premium Silver;

7. Melhorias no relatórios de custos quando os dados fornecidos pela Amazon atrasam no início do mês;

8. Diversas melhorias internas para escalabilidade, pequenos ajustes e bugs internos.

Mandem suas sugestões!

Novidade: Suporte a cobrança consolidada, backup sem reboot, mudanças no dashboard

Estas são as últimas novidades publicadas na semana passada.

Suporte a contas consolidadas

No AWS é possível ter diversas contas para a mesma empresa e ter apenas uma pagante, que agregará o billing das demais. Caso você utilize uma conta consolidada, o Cloud8 irá dividi-las e computar os custos individuais e totalizado automaticamente.

No relatório de custos detalhados (com os componentes marcados pelas tags), continuamos a reportar o custo do provedor. Mas aqui vale um diferencial. Se você usar a mesma tag em diferentes contas/provedores, o Cloud8 mostrará agregado no provedor consolidado!

Imagine que os clientes A e B possuem a tag ‘Centro de Custos’. Você verá os custos de cada um separadamente e no provedor consolidado, a soma dos dois!

consolidado-2

Backup com opção de rebootar ou não

Agora é possível fazer um backup ‘Hot’ (com o servidor online) tanto manual como agendado. Sabemos que em alguns cenários o servidor não pode parar.

Nota: Sempre recomendamos fazer o backup com o servidor parado para garantir a integridade de dados.

Confira a tela do agendador com a nova opção.

consolidado-3

A informação do backup/template irá mostrar se foi feito com o servidor online ou parado para melhorar a segurança.

consolidado-5

Melhoria nos relatórios de uso de servidor/hora

Colocamos uma opção para o download dos relatórios de uso de servidor em formato CSV:

consolidado-4

Dashboard com mais dados financeiros

Dashboard e lista de provedores mostram a estimativa do mês e o valor do mês anterior para referência. O Dashboard mostra a soma de todos e a lista de provedores mostra para cada um.

consolidado-1

Outros

  • Suporte para mais de 150 valores de tags diferentes
  • Servidor SPOT: nas informações do servidor, mostramos qual foi o preço do bid;
  • Carregamento dos novos preços das instâncias Windows com redução média de 20% – isto se reflete nos relatórios de custos também

Bom proveito!

Novidade: Gráficos e análise de custos detalhados

Esta semana publicamos uma nova funcionalidade muito aguardada: os gráficos com o acompanhamento detalhado dos custos. Já haviamos atualizado o Cloud8 anteriormente com os custos detalhados por tags, mas somente enviavamos as informações por email, como descrito neste artigo.

A primeira atualização é mostrar nos detalhes da sua conta na Amazon quais as tags que estão sendo utilizadas para computar os custos detalhados. Por default, o Cloud8 sempre criará uma tag para acompanhamento individual do componente que chamamos de ‘Identificador no AWS’ (você não precisa se preocupar que o Cloud8 faz isto automaticamente e não importa se utilizou o console da Amazon). Mas você pode criar as tags que quiser e depois associá-las no ‘Cost Allocation Report’ dentro do portal do AWS para que apareçam nos gráficos e relatórios por email.

billing-detalhado-2

Algumas sugestões de tipos de tags:

  • Centro de custo;
  • Departamento;
  • Cluster de servidor;
  • Projeto/cliente.

Lembrando que os custos detalhados funcionam para servidores, discos, banco de dados e buckets no S3.

Agora a principal novidade:  Gráficos de custos detalhados.

O Cloud8 estendeu esta funcionalidade da Amazon criando uma série temporal de todos os valores e custos das tags e as organizando em gráficos informativos e intuitivos – a Amazon fornece somente a ‘foto’ dos custos e não há possibilidade de acompanhar a evolução e os picos que porventura algum componente venha a ter durante o mês.

Ainda turbinamos a sessão ‘Custos’ e a transformamos em ‘Custos – Analytics’ onde é possível responder a questões do tipo usando o relatórios de evolução de custos:

  • qual a transferência de dados (GB) do servidor X ?
  • qual o número de I/Os que o disco Y realizou ?
  • qual o número de operações GET que o bucket Z do S3 realizou ?
  • qual o espaço armazenado no bucket K ?
  • qual o número de I/Os que o banco de dados MySQL W usou neste mês ?
  • quanto custa cada disco attachado aos servidores ?
  •  é possível realizar comparações entre provedores, custos totais e detalhados e mês

(e em todas elas: obviamente, o quanto isto custou!)

Veja um exemplo:

billing-detalhado-1

 

Aguardamos sugestões! Há muita coisa nova por vir!

Como recuperar o acesso a um servidor Linux quando se perde a chave/certificado?

Uma das situações mais desesperadoras em TI é perder a senha de um servidor ou então, no caso do Cloud da Amazon, perder a chave criptográfica que dá acesso a um Linux. Sem ela, obviamente, você não conseguirá mais se conectar no sistema, mexer nas configurações ou recuperar os dados.

Mas nem tudo está tão perdido assim. Existem algumas formas de se conseguir o acesso a estes servidores novamente na nuvem da Amazon.

Listamos duas formas. Lembrando que é sempre bom testar primeiro em um outro servidor (pode criar rapidamente um novo servidor para este fim) e nunca fazer direto no servidor de produção.

1. Trocar a chave de acesso manipulando o disco raiz (não vamos entrar muito em detalhes, pois há extensa documentação):

  • há diversos sites com instruções de como fazer. Por exemplo, veja o item com 12 passos: http://stackoverflow.com/questions/7881469/change-key-pair-for-ec2-instance/
  • a chave mostrada na Amazon ficará desincronizada com a chave do servidor.

2. Por meio de backup e restore:

  • crie uma nova chave de acesso;
  • pare o servidor que perdeu a chave;
  • crie um backup/imagem deste servidor;
  • cheque todas as configurações: IP Elastico, Grupos de segurança, IP interno da VPC, etc;
  • crie um novo servidor a partir deste backup, selecionando a chave nova e as configurações mapeadas;
  • cheque as configurações dos outros servidores que precisam deste servidor (banco de dados ? redes ?, etc). Se for um servidor EC2 padrão, o IP interno provavelmente mudará;
  • se estiver tudo OK, após uns dias pode destruir o servidor que não tem mais a chave.

Nota: o servidor tem que ter o script ‘cloud-init’ habilitado na inicialização. Se em algum momento ele foi desabilitado ou então foi usada uma imagem que não tem, é necessário realizar o procedimento 1 (é com este script que a Amazon vai usar a chave nova no momento da criação do novo servidor).

Como o Cloud8 pode ajudá-lo nesta situação?

Primeiro, recomendamos utilizar o nosso gerenciador de backup para organizar os backups/restores e aproveitar as recomendações de como restaurar as configurações originais. Já falamos sobre isto anteriormente em um outro post do blog.

Segundo, você pode criar a chave de acesso pelo Cloud8 e deixá-la armazenada no painel. Pode optar por colocar uma segunda senha de segurança para não expor o seu certificado. O risco de perdê-la ou de ser acessada indevidamente vai diminuir consideravelmente!

chave-acesso-1

E quando acessar o servidor, ele pedirá somente esta segunda senha. Facil e prático, não?

chave-acesso-2

Quaisquer dúvidas, fiquem à vontade para nos contactar!

 

Novidade da semana: Custos do cloud em detalhes

Esta semana implementamos um relatório muito solicitado: quebrar os custos dos componentes por serviço. O Cloud8 já suportava mostrar o custo por serviço dentro dos totais e agora passa a detalhá-los por servidor, disco e banco de dados (RDS).

Para usufruir deste beneficio, primeiro é necessário verificar se sua conta no Cloud8 possui o que chamamos de ‘Billing Avançado’ habilitado.

Verifique na área dos custos o que o gráfico diz:

relatorio-billing-3

 

Se não estiver habilitado, você verá:

relatorio-billing-4

 

Ao clicar, será pedido o login e senha. Com isto, o Cloud8 se encarrega de fazer todas as configurações das preferências do Billing, sem se preocupar com as configurações avançadas que são requisitadas e maçantes de se realizar manualmente.

 

 

 

relatorio-billing-5

Nos relatórios diários passará a contar com as informações detalhadas. Em breve colocaremos os gráficos no painel.

relatorio-billing-2

Note que agora consegue verificar até quantos I/Os de disco consumiu e quanto está pagando por isto! Com posse destes dados, fica mais fácil planejar onde é possível economizar.

Se você quiser configurar os itens que quer ver neste relatório, é necessário que possua ‘tags’ nos servidores, discos e banco de dados. O Cloud8 usa por default a identificação dos componentes, mas se quiser criar as suas próprias tags como ‘Centro de Custos’, sinta-se à vontade. Depois de criar as tags, basta ir na página ‘Manage Cost Allocation‘ do Console e habilitar as tags que deseja utilizar.

Outras novidades nesta versão do Cloud8:

  • suporte ao billing do RedShift;
  • suporte ao billing de quem possui o Suport Business;
  • carregamento das imagens de Windows 2008, 2012 e SQL de Fevereiro/2013;
  • série de pequenos bugs e melhorias internas corrigidos

Bom proveito!

 





Como gerenciar o backup e restore de servidores na Amazon AWS com o Cloud8

Ter backup de seus dados é imprescíndivel. Ainda mais quando os dados estão na nuvem e são dados corporativos. Quanto custa não ter um backup? E na nuvem, backup é um recurso muito fácil, rápido e barato de se utilizar.

A Amazon disponibiliza o recurso de criar uma ‘imagem‘ do seu servidor que é o equivalente ao backup de tudo que está no seu servidor e de todos os discos anexados.

O Cloud8 incorporou este recurso de criação de imagem e foi além, criando uma interface de gerenciamento e de uma forma organizada de restaurá-los. Confira como o Cloud8 ampliou a funcionalidade de backup do AWS:

  • visualização: ‘backup’ no Cloud8 é uma categoria diferente de imagem. Assim você se organiza melhor;

restore-backup-3

  • backup manual: ao criar o backup categorize-o como ‘backup’ ou ‘imagem’. Veja abaixo o que consideramos como uma ‘imagem de servidor’:

restore-backup-4

  • backup integrado ao agendador: você pode fazer backups de madrugada de forma automatizada. A Amazon recomenda que se faça o backup com o servidor desligado para não ter risco de criar um backup corrompido. Assim, não precisa desligar o servidor durante horário de trabalho!

restore-backup-5

 

  • se precisar restaurar um backup, o Cloud8 organiza os backups do seu servidor por dia e ainda guarda as configurações que foram usadas:
    • nome e comentário descritivos;
    • grupo de segurança;
    • chave de acesso;
    • IP Elástico original;
    • usuário que mais acessa o servidor (ex: root, ec2-user ou outro);
    • grava na Auditoria

restore-backup-1

restore-backup-2

 

Faça como dezenas de outros clientes e passe a gerenciar os seus backups pelo Cloud8!

 

Novidade: Melhorias na gestão de custos

A gestão e controle de custos na Amazon tem se mostrado uma das características mais apreciadas por nossos clientes. Os relatórios e alertas permitem que você controle dia a dia o quanto custa o seu Cloud na Amazon. Acabou a apreensão de se chegar no fim do mês e saber se gastou mais ou menos.

Esta semana publicamos novidades a pedido de nossos clientes:

  • possibilidade de se utilizar o ‘Detailed Billing Report’ para o processamento das estimativas de cobrança – fortemente recomendado no lugar de usar as métricas do CloudWatch;
  • processamento do ‘Cost Allocation Report’ para se inferir o custo detalhado por componente do seu Cloud;
  • novos relatórios de custos;
    • mais limpo e com mais destaque no que é realmente importante;
    • previsão linear de qual será o custo do mês;
    • comparação com o mês anterior (se houver estes dados – depois do primeiro mês, a comparação funcionará);
    • número de servidores online/parados que fechou o dia;
    • custo sob demanda do Cloud8 de forma transparente;

Dúvidas ? Fale conosco!

Lembramos que o Cloud8 guarda os dados de billing indefinidamente, enquanto a Amazon guarda as métricas no CloudWatch somente por 14 dias.

Segue um exemplo do que os clientes recebem diariamente.

relatorio-billing-1

Se precisar de algo mais, nos avise!

 

Novidade: Relatório sobre o consumo de horas/servidores

Hoje é dia de nova release no Cloud8! Dentre as principais novidades:

  • melhoria na interface para mostrar explicitamente todos os relatórios e avisos:
    • Relatórios de Cobrança;
    • Monitoração da Infraestrutura;
    • Avisos de Sincronização de servidores;
    • e agora o novo relatório de Horas/servidores;
  • Relatório de uso de servidores por hora. É possível saber quantas horas cada servidor de cada provedor cadastrado usou em um mês. São mostrados os servidores destruidos naquele mês, incluindo SPOT, bem como o histórico de todas as mudanças de estado e tipo. A atualização é feita de 6 em 6 horas por enquanto, mas a idéia é chegar em ‘real-time’. Confira a imagem:

 relatorio-uso-3

  • Esta funcionalidade pode ser utilizada para:
    • horas por provedor/servidor para fins de cobrança do seu cliente;
    • relatório gerencial por projeto se você utiliza VPCs para diferenciá-los;
    • relatório gerencial para saber melhor como o custo está dividido por servidor (é sempre uma estimativa por que ainda não inclui custo de transferência de dados por exemplo);
    • detalhes do ciclo de vida de um servidor: mudança de status (ligado, desligado, etc) e mudanças de tipo (t1.micro para m1.small, etc) – muito útil para quem usa o agendador para fazer upgrade/downgrade durante os dias ou durante o fim de semana;
    • conte-nos como está usando!
  • Estatísticas de uso: se tiver monitoração avançada habilitada para o servidor, já traz os dados de 1 em 1 minuto por default;
  • Suporte a instâncias do tipo ‘hs1’ e ‘cr1’;
  • Chamada para beta test: quem tiver interessado em testar o relatório de custos detalhado por componente, nos avise.

Como sempre, fiquem à vontade para sugestões. Canal aberto!

Atualização 13/02: Publicamos uma versão nova com 5 níveis de relatório e mais alguns detalhes conforme a figura em anexo.

Como escolher a região do Cloud da AWS onde colocar a sua infraestrutura ?

Uma pergunta muito constante que recebemos aqui no Cloud8 é como escolher a região geográfica (conjunto de datacenters na definição do AWS) para colocar a sua infraestrutura de cloud.

Não existe uma fórmula, mas você deve levar em consideração no mínimo estes três fatores:

  • custos;
  • latência de rede -> performance de acesso;
  • recursos suportados

Custos

Naturalmente, o custo é o primeiro fator que se destaca. E a diferença entre as regiões é grande. Veja a tabela dos tipos de servidores e seus respectivos custos:

aws-custos-regiao-fev-2013

As regiões mais em conta são EUA/Costa Leste (que é a base comparativa) e EUA/Costa Oeste 2. A região no Brasil tem custos que variam de 35% a 77% em torno de 35% a mais que a base.

Nota: não foram incluídos os custos de todos os componentes, como discos, transferência de dados e outros serviços. Para os detalhes completos, acesse a página de custos do AWS.

Latência/Performance

Performance também é igualmente importante. Dependendo da performance exigida pelo seu sistema e a necessidade de ser melhor rankeado pelo Google (quanto mais rápido e menos latência, ganha-se pontos no ranking de buscas), o melhor a fazer é deixá-los o mais próximo dos seus usuários.

É difícil colocar em uma ordem as regiões por conta de não se saber como as operadores irão rotear o tráfego IP. Mas para um site/sistema que tem o seu principal público no Brasil, uma ordem com boa chance de funcionar em qualquer telco seria:

  • Brasil;
  • EUA/Costa Leste;
  • EUA/Costa Oeste 1 e 2;
  • Europa;
  • 3 regiões da Asia.

Recursos suportados

Este item é o menos importante e tende a ficar cada vez menos relevante dado que a Amazon está cada vez mais fazendo lançamentos simultâneos em todas as regiões. Mas é sempre importante checar se a arquitetura que irá montar possui todos os componentes nas regiões que escolher. Por exemplo, determinados perfis de máquinas só existem em EUA/Costa Leste e até recentemente serviços como o DynamoDB e o Storage Gateway não existiam no Brasil.

Dicas

Não existem dicas universais e que sirvam para todos os casos. Sempre é caso a caso e deve-se estudar a estrutura de custos versus a performance para se chegar a solução que melhor lhe atenda.

No caso do Cloud8, escolhemos hospedar o site no Brasil por conta da performance e da latência de rede que contam no rankeamento do Google.  Já a principal parte da aplicação de gerenciamento de infraestrutura está nos EUA por razão dos custos e por que não é importante a latência de rede, dado que o painel é uma interface rica, com performance alta e que transfere tão poucos dados que independe de onde estiver. Por fim, espalhamos servidores por outras regiões como nós dos processos internos do Cloud8.

Se tiverem alguma dica ou comentário, sintam-se à vontade para nos enviar uma mensagem.

Atualização 01-Fev-2013: Amazon reduziu os preços e diminui a discrepância do DataCenter no Brasil.